Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

Sections
Ferramentas Pessoais
Você está aqui: Página Inicial Notícias 2009 Projeto de professor da Uefs busca melhorar qualidade de vida no semi-árido

Projeto de professor da Uefs busca melhorar qualidade de vida no semi-árido

   Projeto coordenado pelo professor da Universidade Estadual de Feira de Santana, o engenheiro Paulo Roberto Lopes Lima, foi um dos 34 apresentados por pesquisadores baianos na Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia (Fapesb), destinados a melhoria da qualidade de vida da população. Paulo Lima vem aperfeiçoando cisternas de placas de argamassa para armazenamento da água de chuva.

   Os projetos são frutos de uma parceria da Fapesb com a Secretaria Estadual de Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti) e a Casa Civil do Governo do Estado, por meio do Fundo Estadual de Erradicação e Combate à Pobreza (Funcep), que viabilizou o lançamento do Edital temático do Semi-árido. Em 2007 foram aportados R$ 3 milhões para o edital.

   Todos os projetos procuram estudar e apontar soluções para os problemas do semi-árido. O objetivo é a produção de conhecimento científico sobre o semi-árido baiano e o desenvolvimento de soluções inovadoras.

   Outros projetos

   Na área de segurança alimentar, o projeto coordenado pelo pesquisador Carlos Alberto Aragão está focado na horticultura comunitária em Juazeiro, no submédio São Francisco, onde 300 famílias praticam a horticultura urbana no ramo das hortaliças.

   Dentre outras atividades, o projeto fará um diagnóstico da segurança alimentar em 10 bairros de Juazeiro e de cidades vizinhas. No município de Caldeirão Grande, a bióloga Djane Santiago de Jesus, do Centro Federal de Educação Tecnológica da Bahia (Cefet-BA), coordena um projeto, em parceria com a prefeitura local, para incluir o ouricuri como fonte energética e alimentícia.

   Também no submédio São Francisco está sendo executado um projeto para racionalizar o uso de agroquímicos e para o tratamento preventivo da pré-colheita da manga, evitando a podridão pelo fungo Lasiodiplodia theobriobromae, que muitos prejuízos vem causando aos produtores.

   Há também um projeto para desenvolver ações de capacitação, extensão e educação em saúde ambiental para limitar os problemas sanitários que atingem os caprinos e ovinos.

   Foram destacados ainda os seguintes projetos: caracterização, seleção e propagação vegetativa de genótipos de umbucajazeira; aproveitamento do resíduo da mandioca para a produção de etanol em cooperativas; levantamento epidemiológico de virose de caprinos e ovinos na microrregião de Juazeiro; avaliação de fruteiras adaptadas ao semiárido em sistema agroflorestal; e aproveitamento do farelo da algaroba na composição de suplementos para pequenos ruminantes.

Feira de Santana, 4 de junho de 2009.