Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

Sections
Ferramentas Pessoais
Você está aqui: Página Inicial Notícias 2009 Informe Adufs - Professores paralisam as atividades

Informe Adufs - Professores paralisam as atividades

Docentes das quatro universidades aderiram à paralisação

  (Ascom - Adufs) - Os professores da UEFS vão paralisar as atividades nesta quinta-feira (4) e seguir até a Governadoria, em Salvador, para denunciar o governo Wagner que tem adotado medidas agressivas contra o funcionalismo público baiano sob a justificativa da crise econômica. O corte no orçamento das universidades e o ataque à autonomia universitária são as principais críticas do movimento docente que, unificado, paralisará as atividades nas quatro universidades estaduais da Bahia.

   Uma das conseqüências desse contingenciamento orçamentário é a falta de professores. Desde que assumiu, o governador Jaques Wagner prometeu autorizar concursos públicos para docentes e técnico-administrativos e, até o momento, não cumpriu. Apenas foram realizadas algumas seleções públicas que nem de longe atendem às necessidades das categorias. O quadro docente e dos servidores ainda é o mesmo aprovado em setembro de 2002.

   Benefícios bloqueados

   Desde março, docentes e técnico-administrativos tiveram bloqueadas as mudanças de regime de trabalho, dentre outras restrições. De lá pra cá, medidas de contenção baixadas por decretos e resoluções comprometeram ainda mais as condições de trabalho e ensino.

   As medidas consideradas mais agressivas foram determinadas pelo Conselho de Política de Recursos  Humanos (COPE), sob a resolução 110/2009. O texto é claro ao afirmar que o governo pretende “economizar e restringir gastos com pessoal para fazer frente à citada crise financeira internacional”.

   Estas medidas que atingem o setor de pessoal não são as únicas preocupações do movimento docente. “Existe possibilidade de um colapso nas UEBA. Além dos rotineiros problemas financeiros, desde fevereiro há repasses em atraso. Algumas empresas (fornecedores e terceirizadas) ameaçam romper contratos e multas estão sendo pagas com recursos próprios das instituições. Esta situação vai implicar em um arrocho que impedirá despesas com investimentos e equipamentos”, alerta a Diretoria da ADUFS.

   Outras categorias têm demonstrado preocupação com estas medidas adotadas pelo governo estadual que “obrigam o trabalhador a pagar a conta da crise”.

   No Ato de Protesto, em frente à Governadoria, as associações docentes ministrarão uma Aula Pública para situar o governo quanto à realidade vivenciada pelo ensino público superior nas UEBA. A paralisação e a AULA foram aprovadas nas assembléias das quatro Universidades (UEFS, UNEB, UESC e UESB), por indicação do Fórum das ADs. A mobilização está sendo apoiada pelos estudantes e funcionários que devem encaminhar representantes a Salvador.

PROGRAMAÇÃO  

Manhã: a panfletagem está agendada para as 7 horas da manhã em frente ao pórtico. Às 08h30min, no Auditório 1 do Módulo I, ocorrerá um debate organizado pela Comissão Geral da Estatuinte sobre Estrutura administrativo-acadêmica, com a participação de representantes das reitorias da UFBA, UNEB e UFRB. 

Tarde: às 12h30min, sairá da ADUFS uma caravana para participar da AULA Pública na Governadoria, em Salvador, a partir das 14:30h. 

Para mais informações, entrar em contato através telefones:

Jucelho Dantas – Coordenador Geral da ADUFS

(75) 9199-1920 /(75) 3224-3368/ (75) 3224-8072

Gean Santana – Coordenador da ADUFS

(71) 8845-2140/(75) 3224-3368/(75) 3224-8072

Mariana Sousa – Assessoria de Comunicação: (75) 8827-6046